Câmara aprova impeachment de Trump pela 2ª vez; decisão vai ao Senado


A uma semana da posse de Joe Biden, a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou hoje, pela segunda vez, o impeachment do presidente Donald Trump, acusado pelos congressistas de “incitação à insurreição” após a invasão ao Capitólio no último dia 6, que deixou cinco mortos. O placar final ficou em 232 a 197.

Mesmo com a votação favorável ao impeachment na Câmara, Trump deve permanecer no cargo até o fim de seu mandato, uma vez que é necessária a aprovação do Senado para que o afastamento seja, de fato, confirmado. Se o afastamento for aprovado também no Senado (mesmo após o término do mandato de Trump), há a possibilidade de o republicano perder seus direitos políticos.

“O presidente dos Estados Unidos incitou esta insurreição, esta rebelião armada contra nosso país”, defendeu no plenário a democrata Nancy Pelosi, presidente da Câmara. “Ele precisa sair. Ele é um perigo claro e presente para a nação que todos nós amamos.” Líder da Maioria, o senador republicano Mitch McConnell descartou convocar uma sessão de emergência para debater a matéria de forma antecipada e disse que, “apesar de a imprensa estar cheia de especulações”, ainda não decidiu se votará a favor ou contra o impeachment.

Forte esquema de segurança A aprovação do impeachment na Câmara acontece exatamente uma semana depois da invasão ao Capitólio, sede do Congresso americano, em Washington (DC). Hoje, a capital amanheceu sob forte esquema de segurança, com dezenas de militares da reserva tendo passado a noite dentro do Congresso.
Muitos dormiram no chão. Blocos de concreto separavam os cruzamentos principais do centro da cidade; enormes barreiras de metal cercavam prédios federais, incluindo a Casa Branca, e a Guarda Nacional estava por todos os lados.

Os debates na Câmara dos Deputados começaram às 9h (hora local, 11h em Brasília). Seu resultado — já esperado, uma vez que o Partido Democrata controla a Casa — marca a abertura formal do processo de impeachment contra Trump, que se tornou o primeiro presidente na história do país a ser julgado duas vezes no Congresso. “Paz e calma” Ontem, no Texas, para onde viajou para comemorar a construção do muro na fronteira com o México, Trump tentou mostrar uma imagem menos agressiva, pedindo “paz e calma”.

O presidente não assumiu nenhuma responsabilidade pela invasão ao Capitólio, garantindo que seu discurso foi “totalmente adequado”.

Seu vice-presidente, Mike Pence, se recusou a invocar a 25ª Emenda à Constituição, que permitiria declarar o republicano inapto para o cargo. Apesar dessa rejeição, a Câmara aprovou uma resolução simbólica pedindo que Pence invocasse essa emenda.

O presidente está mais isolado do que nunca. Mais cedo, o YouTube suspendeu o canal de Trump por “pelo menos sete dias” e excluiu um de seus vídeos por violar sua política contra discurso de ódio. Na semana passada, o Twitter já havia encerrado a conta “realDonaldTrump” de forma permanente.

*Informações Uol

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: