Pelé, o Rei do Futebol, completa 80 anos de vida

Tricampeão mundial pela Seleção Brasileira, a Majestade da Bola comemora seu 80º aniversário nesta sexta-feira (23)

No dia 23 de outubro de 1940, há exatas oito décadas, nascia, em Três Corações, o maior e melhor jogador de futebol de todos os tempos. O craque que deixou sem palavras até os mais talentosos poetas. Que parou uma guerra. Que, de menino, virou Rei. E de Rei, tornou-se eterno. Há 80 anos, vinha ao mundo o mais genial dos grandes gênios da história do futebol: Pelé. Nesta sexta-feira (23), reverenciado por todo o mundo da bola, o Rei do Futebol comemora seu aniversário.

A data especial marca um dia de muitas homenagens para Pelé. Jogadores, personalidades, federações e clubes do mundo todo, ligados ao futebol ou não, prestaram sua homenagem a ele. E não é à toa. A carreira de Pelé foi tão encantadora quanto vitoriosa e fez dele um atleta mais do que admirado. É, até hoje, sinônimo de vitórias, de classe e de excelência. Por isso, quando Pelé faz aniversário, o mundo inteiro celebra junto. A festa é do Rei e nós, súditos do planeta bola, comemoramos e homenageamos o Majestade.

Pelé

Seleção Brasileira (de 1957 a 1971)
Jogos: 113
Gols: 95
84 vitórias, 15 empates e 14 derrotas
Títulos: Copa do Mundo (1958, 1962 e 1970), Copa Roca (1957 e 1963), Taça do Atlântico (1960), Taça Oswaldo Cruz (1958, 1962 e 1968) e Taça Bernardo O’Higgins (1959)

O sonho de menino


A relação de Pelé com o futebol começou quando ele era apenas um menino. Aos dez anos de idade, assistiu à tristeza de seu pai, Dondinho, com a derrota do Brasil na final da Copa do Mundo de 1950. Disposto a consolar o pai, prometeu que buscaria o tão sonhado título mundial dentro de campo. E realmente o fez, oito anos depois.

O caminho para a história começou no ano de 1957. Convocado por Vicente Feola, Pelé era uma aposta do treinador para a disputa da Copa Roca, tradicional torneio amistoso entre Brasil e Argentina. Aos 16 anos de idade, Pelé fez sua estreia com a camisa da Seleção no Maracanã, em uma derrota. O Brasil perdeu por 2 a 1 para a Argentina, mas Pelé deixou sua marca. O jovem entrou aos 20 minutos do segundo tempo e marcou pela primeira vez com a Amarelinha, empatando a partida.

Superado no primeiro jogo, o Brasil reverteu a desvantagem na partida seguinte, com mais uma boa atuação do Rei. Pelé marcou um dos dois gols da Seleção na vitória por 2 a 0 no Morumbi, que garantiu o título da Copa Roca, o primeiro dele com a Seleção Brasileira.

A primeira estrela na Suécia


Um ano mais tarde, Pelé foi à Suécia para disputar a sua primeira Copa do Mundo. Com apenas 17 anos, o jovem mostrou muita maturidade e um futebol de gente grande entre adversários muito complicados. Sua estreia foi justamente na terceira partida do Brasil. O meio-campista se lesionou em um jogo preparatório contra o Corinthians, ainda no Brasil, e só pôde estrear na última rodada da fase de grupos. Diante da União Soviética de Lev Yashin, a Seleção Brasileira precisava vencer para garantir a vaga no mata-mata.

Dentro de campo, o Brasil justificou a espera de Feola por Pelé. Ao lado de Garrincha e Didi, o jovem transformou a Seleção em uma verdadeira de máquina de jogar futebol e liderou a equipe a uma convincente vitória por 2 a 0, com direito a bola na trave e passe para o segundo gol de Vavá, que fechou o placar. Nas quartas, o Rei marcou o seu primeiro gol em Copas do Mundo, decidindo o confronto com o País de Gales, vencido por 1 a 0.

Se Pelé já estava bem, a semifinal foi ainda melhor. Contra a França do artilheiro Just Fontaine, ele marcou três vezes e conduziu o Brasil a uma categórica goleada por 5 a 2. Oito anos depois de ver seu pai chorar em casa, o jovem de Três Corações estava na final da Copa do Mundo. Na decisão, Pelé voltou a balançar as redes. Foram dois gols em mais um triunfo por 5 a 2, que deu ao Brasil o primeiro título mundial de sua história.

O bi no Chile


Defendendo o título mundial, o Brasil chegou ao Chile em 1962 cheio de expectativas, principalmente pela reedição de grandes parcerias da Copa do Mundo anterior, com os retornos de Garrincha, Didi e, é claro, Pelé. Na estreia, contra o México, a Seleção não encontrou dificuldades e venceu por 2 a 0. Pelé deixou o dele. Mas a trajetória do Rei nesta Copa duraria pouco. Ainda no início da partida contra a Tchecoslováquia, ele sentiu uma lesão no músculo adutor da coxa e teve que deixar o campo. Aquela seria a última partida de Pelé na Copa do Mundo do Chile.

Para a graça dos torcedores brasileiros e do próprio Rei, no entanto, Garrincha estava lá. E o Anjo das Pernas Tortas entrou em cena para garantir o bicampeonato. O Mané foi decisivo em todos os confrontos até a final e deu o segundo título mundial ao Brasil, que empatava no número de conquistas com Itália e Uruguai.

A frustração em solo inglês


Bicampeã do mundo, a Seleção Brasileira foi à Inglaterra, em 1966, como grande favorita ao título. Mas o Brasil não conseguiu reeditar as boas atuações das duas Copas anteriores. Caçado na vitória por 2 a 0 sobre a Bulgária, Pelé ficou de fora da segunda rodada, contra a Hungria. Após o empate sem gols com os húngaros, o Brasil precisava derrotar Portugal para avançar de fase. Foi aí que entrou em ação a genialidade de Eusébio, que comandou a equipe lusitana ao triunfo por 3 a 1, mesmo com Pelé como titular. Com o resultado, a Seleção foi eliminada na primeira fase. Aquela seria a única vez que Pelé não venceria um Mundial.

O milésimo gol


Entre uma Copa e outra, Pelé conquistou inúmeros títulos com a camisa do Santos, clube que o revelou e pelo qual jogou a maior parte de sua carreira. Foi pelo Peixe que o Rei se sagrou bicampeão da Conmebol Libertadores e do Mundial Interclubes, em 1962 e 1963. Pelo clube da Baixada Santista, ainda conquistou títulos nacionais e viveu um momento único no Maracanã. Em 1969, diante de quase 200 mil pessoas, o Rei marcou o seu gol 1000 na carreira. Foi de pênalti que o chute rasteiro venceu o goleiro Andrada, do Vasco da Gama, e encontrou as redes do templo do futebol mundial. Um momento histórico, que ficou ainda mais bonito quando o Rei dedicou o feito aos jovens: “Pensem no Natal. Pensem nas criancinhas. (…) Volto a lembrança para as criancinhas pobres, necessitadas de uma roupa usada e de um prato de comida. Ajudem às crianças desafortunadas, que necessitam do pouco de quem tem muito”, disse à imprensa.

O tri e a coroação no México


Na Copa do Mundo de 1970, Pelé reafirmou sua posição de maior jogador da história do futebol. Em uma Seleção recheada de craques, o Rei foi o grande líder e, com quatro gols e seis assistências, comandou o Brasil rumo ao título. Logo no primeiro jogo, marcou diante da Tchecoslováquia. Contra a Inglaterra, foi dele o passe para o gol de Jairzinho, o único da partida. Diante da Romênia, mais dois gols para a conta do Rei. Nas quartas de final, contra o Peru, Pelé participou dos quatro gols no triunfo por 4 a 2, mas não deixou o dele.

Na semi, o rival foi o Uruguai e Pelé protagonizou um dos lances mais emblemáticos de sua carreira. Lançado em profundidade, o Rei enganou o goleiro Mazurkiewicz apenas usando o corpo e ficou com o gol aberto para fazer um golaço. Mas o chute passou raspando a trave e o lance ficou eternizado como “o gol que Pelé não fez”. Na final, Pelé teve uma última exibição de luxo, para não deixar dúvidas de seu status dentro do futebol. Foi uma aula de futebol do início ao fim. O Rei abriu a vitória por 4 a 1 sobre a Itália, com um gol de cabeça, e deu o passe para o quarto gol, marcado por Carlos Alberto Torres.

Pelé é, até hoje, o único jogador a ganhar três Copas do Mundo. Mais do que isso, foi o camisa 10 da Seleção nas três conquistas do Mundial. Diante do Azteca lotado, Pelé se despediu das Copas como o grande craque que sempre foi. Amado pelo povo mexicano, o jogador foi alçado aos céus pelos torcedores, jornalistas e policiais que invadiram o gramado após o apito final.

A despedida como profissional


Mesmo com apenas 31 anos, Pelé deu adeus à Amarelinha em 1971. Diante de um Maracanã lotado, o Rei esteve na Seleção Brasileira que enfrentou a Iugoslávia no dia 18 de julho. O jogo terminou em um empate por 2 a 2, com gols de Gerson e Rivellino. Mas o resultado foi a menor notícia da partida, marcada pela aposentadoria do Rei Pelé. Conhecido por ter um preparo físico notável, ele poderia até mesmo ter estendido sua trajetória com a Seleção, mas preferiu encerrá-la em uma nota alta. Foi assim que o próprio definiu essa decisão uma semana antes, no dia 11 de julho de 1971. Naquele dia, o Brasil enfrentou e empatou com a Áustria por 1 a 1 no Morumbi, em São Paulo.

Pelé marcou o último de seus 95 gols com a camisa da Seleção. Diante dos vários pedidos para que ficasse até a Copa do Mundo de 1974, Pelé justificou sua decisão de dar adeus à Seleção em um grande momento. “Saio agora, quando todo mundo quer que eu fique. Seria muito triste sair quando todos acharem que está na hora”, disse em entrevista, ainda no Morumbi.

A última vez em 1990

No gramado do Giuseppe Meazza, em Milão, Pelé foi visto pela última vez em campo com uma camisa da Seleção Brasileira. Em amistoso comemorativo pelos 50 anos do Rei, a Seleção, que era treinada por Paulo Roberto Falcão, mediu forças com um combinado do Resto do Mundo, que tinha estrelas como Marco Van Basten, Hristo Stoichkov e George Hagi. O Brasil perdeu por 2 a 1, mas a grande memória desta noite ficou mesmo para Pelé, que deixou o gramado ovacionado pelos torcedores presentes. Como curiosidade, aquela foi a primeira e única vez que o Rei vestiu a braçadeira de capitão do Brasil.

Em 2012, de volta ao Rasunda

54 anos depois de conquistar o primeiro título mundial, Pelé voltou ao Rasunda, em Estocolmo, para relembrar a grande final da Copa do Mundo de 1958. Ao lado de Zito, Pepe e Mazzola, companheiros de Seleção na Copa, o Rei fez parte de eventos de celebração à história do estádio, que foi demolido no final de 2012. Na véspera de um amistoso entre Brasil e Suécia, os quatro foram ao gramado do Rasunda pela última vez, onde encontraram alguns dos suecos que foram adversários na final da Copa.

“Eu me lembro de tudo”, disse o Rei, à época, em entrevista aos jornalistas presentes. “Ainda está vivo, esse sentimento de ajudar o Brasil. O Brasil começou aqui. Antes de 1958, ninguém conhecia o Brasil”, destacou Pelé.

Estátua no Museu Seleção Brasileira

No início deste ano, para marcar os 50º aniversário do tricampeonato mundial de 1970, Pelé ganhou uma homenagem especial da CBF. A entidade maior do futebol brasileiro encomendou uma estátua de cera em tamanho real, com medidas baseadas no próprio Rei, para eternizá-lo no Museu Seleção Brasileira. A peça, que fica exposta no museu, no Rio de Janeiro, foi apresentada a ele em fevereiro deste ano, no Guarujá, na casa de Pelé.

O Rei se encantou com a reprodução fiel de como ele era no tricampeonato. Impressionado com a semelhança, brincou e desejou sorte ao seu novo amigo. “Caramba, está mais bonito do que eu. Está perfeito! Boa sorte, Pelézinho”, afirmou.

Ensaio de fotos com Jorge Bispo

Para celebrar os 80 anos do Rei, a CBF ainda organizou um ensaio fotográfico especial. Pelas lentes do renomado fotógrafo Jorge Bispo, o Rei foi participou da sessão e abriu o seu sorriso, que iluminou por tanto tempo torcedores e fãs mundo afora. As fotos estão em uma matéria diferente no site da CBF, combinando frases de grandes escritos sobre o Rei com as belas imagens produzidas por Bispo. O ensaio completo pode ser conferido no Flickr da CBF.

Os parabéns do mundo da bola

Rei como é, Pelé foi celebrado pelos seus súditos nesta data de hoje. Do Brasil ao Japão, Pelé recebeu inúmeras mensagens de parabéns, homenagens e agradecimentos de jogadores, clubes, federações e grandes personalidades. Várias dessas mensagens foram enviadas para o site da CBF, que as reuniu em uma só matéria.

Fonte: CBFNews

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: